top of page

Tumor de mama em Bulldog

O tumor de mama é uma das neoplasias mais comuns em fêmeas adultas ou idosas. O risco é agravado nas seguintes situações:

  1.   Animais não castrados – caso a fêmea venha a ser castrada antes do primeiro cio o risco é muito baixo (cerca de 0,5%), sobe para 8,0% caso seja castrada após o primeiro cio e chega a quase 30% caso venha a ser castrada após o segundo cio;

  2.   Fêmeas que receberam alimentação rica em gordura ou rica em proteínas como carne bovina ou suína antes do primeiro cio;

  3.   Pacientes que nunca tiveram filhotes e não foram castradas;

  4.   Fêmeas que receberam anticoncepcional (progestágenos exócrinos);

  5.   Pacientes com cistos ovarianos ou pseudogestação (gestação psicológica).


A cadeia mamária é formada por 4-5 mamas de cada lado, sendo que as mais acometidas pela neoplasia são as duas mamas caudais. O diagnóstico é realizado pelo exame clínico e histórico da paciente. O tratamento de eleição é a retirada cirúrgica de uma das cadeias mamárias e se possível castração concomitante. Caso as duas cadeias mamárias estejam comprometidas são necessários dois procedimentos cirúrgicos para resolução total. Sugere-se que o material seja enviado para biópsia a fim de determinar o tipo de tumor e prognóstico. Também temos opção de quimioterapia, radioterapia e imunoterapia em alguns casos.

Antes do procedimento, é necessária a realização de exames complementares. O raio x de tórax é muito importante para determinar a existência de metástases pulmonares e assim avaliação do risco trans-operatório. Exames de sangue também se fazem necessários, assim como check up cardíaco. Muitas vezes quando são diagnosticadas metástases pulmonares com comprometimento severo da função respiratória, opta-se pela não realização da cirurgia. Nesses casos o risco no trans-operatório é muito grande e a qualidade de vida pós-operatória fica comprometida.

O prognóstico varia de acordo com o tipo de tumor e grau de evolução. Assim a melhor forma de prevenção está na castração precoce quando não houver intenção de reproduzir, evitar uso de anticoncepcionais injetáveis ou orais, palpação freqüente da região, alimentação balanceada e revisões periódicas no veterinário.


Fotos: a bulldoguinha da foto chama-se Gorda, tem 9 anos e foi vítima de maus-tratos e abandono. Veio à clínica recentemente apresentando um tumor de mama grande sem comprometimento pulmonar ao raio x e sem alterações ao exame de sangue. Foi adotada por nós e realizou a primeira cirurgia, se recupera bem. Agora ela está mais gordinha e bem mais feliz.

Dra. Viviane Dubal – CRMV/RS 8844

Formada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e proprietária da Clinica Veterinária Saúde Animal em Porto Alegre. Contato: vivianesd@bol.com.br

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page