top of page

Como aumentar a imunidade dos cães no inverno

Com a chegada dos dias mais frios do ano, as pessoas já se preparam para manter a casa aquecida e confortável para aproveitar a estação. Para fazer isso na companhia dos pets, porém, é preciso ter atenção extra para reforçar a imunidade dos cães nessa época.

No inverno, os cães ficam mais preguiçosos para conservar maior quantidade de calor, mas os passeios não devem ser abolidos.

Ele está com frio?

Não são apenas as pessoas que sentem frio. A queda na temperatura também provoca mudanças de comportamento nos pets, por isso, os tutores devem ficar sempre atentos a qualquer sinal de desconforto a fim de amenizá-lo rapidamente. Mas como saber, afinal, quando os cães estão com frio? Segundo a médica veterinária Manuella Carvalho da Costa, no inverno, o comportamento dos pets é semelhante ao dos humanos. Eles ficam mais preguiçosos e comem mais para ter mais energia e conservar maior quantidade de calor. Além disso, costumam tremer e ficar encolhidos. "O ideal é manter os cãezinhos aquecidos, através de cobertas e roupinhas, principalmente para os cães de pelo curto. Para os animais que dormem fora de casa, é ideal que o tutor adote o uso de casinhas", sugere Manuella, ressaltando que cobertores ou camas podem ser colocados dentro da casa do pet, para aumentar o conforto do animal. "A caminha deve ser protegida com um revestimento de borracha ou es trado, evitando, assim, o contato direto com o chão", completa.

E se você fica com mãos e pés gelados no inverno, saiba que também existe algo equivalente a isso no universo canino. "Extremidades como pontas de orelha e patinhas frias são sinais que o animal está com frio e deve ser aquecido", revela o veterinário Mário Marcondes, diretor clínico do Hospital Veterinário Sena Madureira, de São Paulo.


Doenças mais comuns

Os problemas respiratórios estão entre as principais enfermidades que acometem os pets nesse período. É caso da traqueobronquite infecciosa, também conhecida como tosse dos canis. "Os sintomas são similares aos da gripe dos humanos, com febre, tosse, apatia, coriza e espirros, que podem evoluir para um quadro de pneumonia bacteriana secundária", alerta Manuella. A evolução para pneumonia, quando a doença não é tratada, pode ocorrer principalmente entre filhotes e idosos não vacinados e que têm imunidade mais baixa. Vale lembrar que a tosse dos canis pode ser transmitida em qual quer época do ano, embora seja mais comum no frio. A doença é provoca da por vírus e bactérias.


Gripe canina e a piora de quadros respiratórios, como bronquite e asma, são outros problemas dos meses mais frios. "Devido às baixas temperaturas, animais com problemas osteoarticulares podem sentir mais dor, pois a musculatura fica mais tensa no frio", complementam Manuella e Mário. Artrose e hérnia de disco são alguns exemplos de complicações no período.


Vacinas indispensáveis

Uma das principais formas de reforçar a imunidade dos cãezinhos no inverno é vacinando-os adequadamente, já que a transmissão das doenças causadas por vírus costuma ocorrer por contato entre animais doentes e sadios. As vacinas mais indicadas para a época são contra a tosse dos canis e gripe canina. Para esta última, o ideal é que seja feito o reforço da imunização, ou seja, contra Bordetella, Adenovírus tipo 2 e Parainfluenza. "O tutor deve sempre estar atento se a vacina V10 está atualizada, pois ela promove a imunidade prévia contra o vírus da Parainfluenza", frisa Mário.


Cuidado redobrado

No frio, filhotes e cães idosos exigem atenção especial quando se trata de saúde, já que seu sistema imunológico é mais frágil. "Filhotes ainda estão desenvolvendo a capa cidade de controle da temperatura corporal e imunidade e os idosos têm uma imunidade mais delicada, portanto os cuidados em mantê-los sempre aquecidos devem ser redo brados", recomenda Mário.


Rotina de inverno

É comum que, em épocas mais frias, as pessoas mudem seus hábitos. De certa forma, isso também é recomendado para os cães, afinal, o clima exige que os tutores utilizem todos os recursos possíveis para ajudar os pets a manterem sua temperatura corporal. Veja as principais recomendações dos especialistas para ter um cotidiano tranquilo com os cães nessa época:


Passeios

De acordo com Mário, a atividade física é fundamental para manter a saúde e a imunidade dos cães, porém, o tutor deve evitar fazer passeios externos com o pet em horários muito frios ou dias de chuva. "Lembrando que a atividade física regular, como caminhadas de pelo menos uma vez ao dia por 40 minutos, é o ideal para a manutenção da saúde e bem-estar do animal", afirma. Manuella acrescenta que o ideal é passear com os cães apenas nas horas mais quentes do dia, entre 11h e 15h. "Para garantir a saúde dos cães, principalmente os de pelo curto, pode-se fazer uso das roupinhas de inverno, mantendo os animais quentinhos e confortáveis", complementa.


Alimentação

É importante manter uma alimentação equilibrada com ração de boa qualidade para garantir que os animais fiquem saudáveis, porém Manuella destaca que os pets também comem mais nessa época. "No inverno os cães comem de 20 a 30% mais do que no verão, pois o gasto energético é maior, tanto em adultos quanto em filhotes. Para os animais obesos, deve-se conversar com o veterinário antes de alterar a quantidade de alimento", salienta.


Lembre-se que oferecer água aos pets, mesmo no frio, também é in dispensável. "Apesar do frio, a água deve ser oferecida sempre em abundância e à vontade, pois, nessa época, o tempo também fica mais seco. Portanto, manter o animal bem hidratado é fundamental", frisa Mário,


Banho e tosa

A rotina de banho e tosa também deve mudar. Segundo Manuella, a frequência dos banhos pode passar de semanal para quinzenal e o pro cesso deve ser realizado, preferencialmente, nos horários mais quentes do dia. Além disso, o uso do seca dor na pelagem é fundamental e os cães podem exibir pelos mais longos nessa época, o que ajuda a mantê-los aquecidos no inverno. "A frequência de escovação dos pelos pode ser aumentada para, pelo menos, três vezes na semana, a fim de remover os pelos mortos", completa Manuella.


Escrito por Karen Natasha para Cães & Cia.


MANUELLA CARVALHO DA COSTA Médica-veterinária com especialização em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais e mestrado em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Viçosa.

MÁRIO MARCONDES Diretor Clinico do Hospital Veterinário, Pet Shop & Hotel Sena Madureira.



Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page